Segunda, 20 de agosto de 2018
(89) 999 743 718
Educação

22/12/2017 ás 20h30 - atualizada em 08/01/2018 ás 19h11

Alessandro Guerra

Corrente / PI

Correntino de 17 anos tem poesia classificada em concurso nacional
Gabriel Alves, que é da localidade Fazenda de Cima, já escreveu entre crônicas e poesias 200 obras
Correntino de 17 anos tem poesia classificada em concurso nacional

Gabriel Alves de Souza, de 17 anos, aluno do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal do Piauí-Campus Corrente, é autor de uma das 250 poesias classificadas no Prêmio Poetize 2018 , o Concurso Nacional de Novos Poetas, realizado pela Vivara Editora Nacional. Ele foi escolhido com a poesia “Escrever é sentir a alma”.


“Fico muito feliz em saber que um jovem Correntino tem uma das suas poesias classificada no âmbito Nacional para estar em um livro que será apreciado pelo Brasil inteiro. Desde meus 12 anos a poesia é uma arte de liberdade para mim, uma virtude que carrego e inspiro as pessoas”. Comentou o jovem que afirmou estar bastante feliz com o resultado alcançado.


O estudante contou como nasceu a inspiração para fazer a poesia, relatou que foi um momento de apreensão, mas que sempre manteve a certeza de que sua obra seria escolhida. “Eu estava muito apreensivo em qual das minhas poesias escritas eu escolher para mandar, tinha que ser duas, então eu estava na sala de aula (aula de matemática) e a inspiração começou a bater e fiz essa linda poesia, no qual emocionei muito pela escrita. Eu tinha certeza que ela ia ser a escolhida”. Disse.


Gabriel, que é da localidade Fazenda de Cima, e ex-estudante da Escola Municipal Claudenor Rodrigues de Melo, já escreveu entre crônicas e poesias 200 obras, o jovem possui em sua residência na zona rural uma biblioteca denominada “Alegria do Saber”, onde mantêm um acervo com obras doado por amigos e professores disponvel a sua comunidade. Ele também já foi vencedor em 4° lugar no Concurso Artístico-Literário -2013 promovido pela prefeitura de Corrente.


Leia a poesia:


Escrever é sentir a alma


Escrevo, porque escrevo sem limites!


Escrevo para erradicar o enigma da solidão


Escrevo palavras precárias, sem nexo,


Letras dedilhadas na face da existência.


Ouso o calabouço dos pensamentos


Entoando espirito de sentimentos preciosos


Pois o tempo é o tesouro da felicidade.


Não quero fluir sutilezas ou heresias


Sou um simples poeta em busca do amor.


A arte escreve minha história como relva


No palco, aplausos de imortalidade.


O infinito dilacerou a aurora do meu intelecto


Durante o percurso idealizei minha crença


Queria eu transformar as entranhas da virtude


Beber da fonte do sucesso mental


Sentir a pura harmonia da poesia,


Contudo, repouso na congregação dos mortos.


Trilho a eternidade estudando a natureza,


Fenômenos, alicerce da alma dialogada.


Brilho para a lua sentir-me a radiação.


Sou obscuridade na inspiração


Além do horizonte sou nativo,


Berço da minha língua desconhecida.


Veja mais poesias do Gabriel no seu canal no You Tube 


https://www.youtube.com/channel/UCIF-H0W6QH7B3-oaM-SR7hQ

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

1 comentários

Clarice

  ·  corrente - PI Olá Gabriel, acabei de ler a matéria sobre você e fiquei feliz de ver uma pessoa tão jovem como você se interessando por pé dia.Parabéns, seu poema é muito bonito e mereceu ser classificado.Assim, nasce mais um poeta nos sertões do Sul de Piauí. Em 26/12/2017 ás 00h00
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium