Quarta, 21 de fevereiro de 2018
(89) 999 743 718
Política

30/11/2017 ás 13h12 - atualizada em 05/12/2017 ás 16h47

650

Alessandro Guerra

Corrente / PI

Vice- governadora diz que João Mádison faz chantagem política
Margarete Coelho comparou a reação do deputado, de associar indicação do candidato a vice-governador a apoio do partido ao senador Ciro Nogueira, à chantagem política
Vice- governadora diz que João Mádison faz chantagem política

"Não é colocando faca no pescoço do governador que se viabiliza indicação de vice na chapa majoritária", afirma à vice-governadora Margarete Coelho (Progressistas), reagindo à declaração do líder do PMDB na Assembleia Legislativa, João Mádison Nogueira (PMDB), que admite até não apoiar a reeleição do senador Ciro Nogueira (Progressistas) caso o partido não indique o candidato a vice-governador na chapa de Wellington Dias.


Segundo Margarete Coelho, o PMDB não precisa desse tipo de postura para assegurar vaga em chapa majoritária. "O PMDB é uma força política de expressão no Estado, no país e não merece tal comportamento", avalia a vice-governadora. Sobre a permanência na chapa governista, Margarete Coelho informou à coluna que seu nome está à disposição do Progressistas, dos partidos aliados e do governador Wellington Dias. "Mas candidatura majoritária não deve ser fruto de imposições ou de vontade pessoal. Se meu nome contribuir para a  consolidação de uma aliança eleitoral com amplo apoio político e popular, estarei à disposição para seguir na chapa", afirma.


Para a vice-governadora, no pleito majoritário de 2018,  as prioridades do Progressistas são as reeleições do senador Ciro Nogueira e do governador Wellington Dias. "O senador Ciro tem o apoio político e o reconhecimento de prefeitos de norte a sul do Piauí, incluindo a capital,  por seu trabalho em busca de recursos e projetos para o Estado", disse. Margarete Coelho comparou a reação do líder do PMDB na Assembleia Legislativa, de associar indicação do candidato a vice-governador a apoio do partido ao senador Ciro Nogueira, à chantagem política. João Mádison  admitiu voto no ex-governador Wilson Martins (PSB) na eleição para o Senado caso o PMDB não indique o companheiro de chapa do governador Wellington Dias. A revelação de Mádison estremeceu a relação política com o Progressistas.

FONTE: Cidade Verde/ Tempo Real

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium